TEMA: Pessoas excluídas louvam Javé

 

PERSONAGENS: Javé, Jonas, marinheiros e comandante dos marinheiros

 

TEXTO: Jn 1,4-16.

 

PALAVRAS-CHAVE: mar, vento violento, tempestade, descer, dormia profundamente, levanta-te, invoca o teu Deus, temor, sacrifícios e votos

 

PERSPECTIVA: Deus está presente em todas as pessoas que se empenham para que aconteça o Reino de Deus.

 

“Levanta-te, invoca o teu Deus” Talvez Deus se lembre de nós e não pereceremos” (Jn 1,6b).

ATENÇÃO Ao preparar o encontro, o grupo ou a comunidade, conforme a sua realidade e sua criatividade, pode mudar os cantos, as perguntas e a forma de celebrar a vida.

 

  1. Preparar o ambiente

- Colocar no centro uma Bíblia, vela, flores e gravuras com rostos de pessoas de diferentes países ou etnias.

- Escrever numa cartolina o tema do encontro

 

  1. Acolhidade

Dirigente: Boas-vindas a vocês que estão aqui para continuarmos nosso encontro com a Palavra de Deus, escrita na Bíblia e em nossa vida. O que nós aprendemos no primeiro encontro sobre Jonas? Com o grupo, fazer memória do encontro anterior.

Dirigente: No encontro de hoje, vamos refletir e rezar sobre a ação de Deus na vida das pessoas, independentemente de sua confissão religiosa. Por isso, invoquemos a presença do Espírito de Deus, cantando:

O Espírito do Senhor repousa sobre mim, o Espírito do Senhor me escolheu, me enviou

 

Para dilatar o reino entre as nações. Para anunciar a Boa-nova a seus pobres. Para proclamar a alegria e a paz. Exulto de alegria em Deus, meu Salvador.

Para dilatar o seu reino entre as nações. Consolar os corações, esmagados pela dor. Para proclamar sua glória e salvação e acolher quem sofre e chora, sem apoio, sem consolo.

Para dilatar o seu reino entre as nações, para anunciar libertação e salvação e acolher quem sofre e chora. Para anunciar o seu amor e seu perdão, para celebrar sua glória entre os povos.

 

Dirigente: Alguém de nós tem alguma experiência para contar sobre o gesto concreto proposto no primeiro encontro ou algo significativo que tenha vivenciado sobre o amor ao próximo? Depois da partilha, encerrar com o refrão de um canto.

 

Dirigente: Vamos ler o tema do encontro de hoje:

 

Todas/os: Pessoas excluídas louvam a Javé.

 

Dirigente: Em silêncio, vamos observar o desenho deste encontro e procurar entender o que este tema pode dizer para a nossa vida.

 

  1. Motivando a conversa

Leitora ou leitor 1: “Certa vez, um bispo estava examinando a aptidão de um grupo de candidatos ao batismo.

- Qual é o sinal que permite aos outros reconhecerem que vocês são católicos? – perguntou.

Não houve resposta. Evidentemente, ninguém esperava essa pergunta. O bispo repetiu a pergunta. Depois perguntou de novo, desta vez fazendo o sinal da cruz para dar aos outros uma pista para a resposta certa.

De repente, um dos candidatos entendeu.

- Amor – disse ele.

O bispo ficou surpreso. “Ia dizer ‘errado’, mas se conteve na hora h”.[1]

 

Dirigente: Ao revelar sua identidade aos marinheiros, Jonas afirma: “sou hebreu e venero a Javé, o Deus do céu, que fez o mar e a terra” (Jn 1,9). A resposta de Jonas está correta. Ele decorou bem a lição da teologia oficial, mas há uma incoerência entre o que a sua boca diz e a sua oposição a Deus. Qual a minha imagem de Deus e qual a sua conseqüência na minha vida? Espaço para partilhar.

 

  1. Situando o texto

Leitora ou leitor 2: Conforme a religião oficial, o povo judeu era considerado puro e os estrangeiros, impuros. Ser puro significava pertencer ao povo eleito e cumprir todas as exigências da Lei, principalmente as leis da pureza (Lv 11-15). De acordo com a teologia do templo, a pessoa fiel à Lei era abençoada com riqueza, terra e descendência. O templo era o único lugar da manifestação de Deus. Só os sacerdotes da linhagem de Aarão, que eram considerados os principais sacerdotes, podiam oferecer sacrifícios a Javé. O estrangeiro, sob pena de morte, não podia entrar no templo (Nm 3,38). A história de Jonas mostra os estrangeiros trabalhando arduamente para sobreviver à tempestade enquanto Jonas, representante do povo Judeu que acredita que só o povo de Israel é privilegiado por Deus, dorme, permanece distante das pessoas e de Deus.

 

  1. Leitura do texto

  2.  

Dirigente: Vamos abrir nosso coração para acolhermos a Palavra de Deus, cantando:

 

Chegou a hora da alegria, vamos ouvir esta Palavra que nos guia. (bis)

 

Tua palavra vem chegando bem veloz, por todo canto hoje se escuta a tua voz.

Nada se cria sem a força e o calor, que sai da boca de Deus, nosso criador.

A tua lei, ó meu Senhor, é perfeição, conforta a alma e nos educa pra união.

Esta é a palavra da certeza e da justiça, que nos liberta da opressão e da cobiça.

 

Leitora ou leitor 3: Alguém lê o texto de Jn 1,4-16; em seguida, pedir que as pessoas repitam os versículos ou expressões que mais lhe chamaram a atenção.

 

Dirigente: para conversar

a) Qual a reação de Javé diante da desobediência de Jonas?

b) Comente a atitude dos marinheiros, do comandante e a de Jonas durante a tempestade.

 

  1. Iluminando a vida

Leitora ou leitor 4: Os marinheiros procuram entender quais os motivos da tempestade. Para saber quem é o culpado, os marinheiros jogam a sorte, um antigo costume que era utilizado nos oráculos para decidir entre várias opções. Os marinheiros chegam à conclusão de que Jonas é o culpado. Antes de tomar qualquer decisão, eles dão a chance de Jonas se defender. Eles querem saber qual é a missão de Jonas, de onde ele vem, qual a terra e a que povo ele pertence. Jonas não responde qual é a missão dele, mas reafirma a sua fé em Javé. Diante do relato de Jonas, os marinheiros temem a Javé.

 

a) Como testemunhamos a nossa fé?

b) O que pensamos sobre as pessoas que pertencem a outras confissões religiosas? Como nos relacionamos com elas?

 

Depois da partilha, encerrar com o refrão indicado, ou à escolha da comunidade:

 

Eu venho de longe, eu sou do sertão, sou Pedro, sou Paulo, Maria e João. Eu sou brasileiro e sou estrangeiro. Lutei pela pátria e ganhei cativeiro.

E agora me digam se eu tenho direito, se sou cidadão ou por Deus não fui feito.

 

  1. Celebrando a vida:

Dirigente: Vamos formar uma grande roda e olhar para os nossos rostos. O que vemos? Não há um rosto igual ao outro. Somos diferentes. Trazemos em nosso sangue a marca de povos diferentes: índios, negros e brancos. Num gesto simbólico, vamos acolher nesta roda todas as pessoas que amamos e aqueles que estão distantes de nosso convívio. Cada pessoa poderá dizer em voz alta o nome de uma pessoa que gostaria que estivesse na rida. Em seguida, vamos contemplar as gravuras dos rostos que temos à nossa frente e acolher todos os povos.

 

Encerrar com um refrão de um canto. Sugestão: Por isso vem, entra na roda com a gente também, você é muito importante! Por isso vem, entra na roda com a gente também, você é muito importante! Vem.

 

Com um só coração e um só desejo, rezemos a oração da fraternidade.

 

Todas/os: Pai-nosso. Se o grupo quiser, poderá acrescentar outras orações.

 

  1. Preparar o próximo encontro

Dirigente: Para a próxima reunião, ler Jn 2,1-11, e quem puder leia as orientações em preparação ao terceiro encontro. Se tiver alguma dificuldade em ler, pedir ajuda a uma pessoa amiga ou vizinha.

- Distribuir as tarefas, combinar a data e o local da próxima reunião.

  1. Gesto concreto

Conhecer a realidade de imigrantes ou emigrantes que vivem ao nosso redor. Se tiver alguma pessoa estrangeira ou imigrante em nossa comunidade, pedir que ela conte a sua experiência de viver fora de sua terra natal.

  1. Benção Final

Dirigente: Que Deus, pai e mãe de todos os povos, nos abençoe com a graça de vivermos o amo solidário com todas as pessoas.

 

Todas/os: Amém.

Dirigente: Que as portas do nosso coração estejam abertas para dar abrigo àquelas e àqueles que vivem distante de seus familiares.

Todas/os: Amém.

 

Para não confundir: estrangeiro, migrante, imigrante e emigrante.

Estrangeiro: pessoa que vive em uma nação diferente daquela onde nasceu e se criou. Buscou outras terras para viver, estudar ou encontrar melhores condições de vida. Esta terra estranha pode ser dentro de seu próprio país, desde que em outra região.

Migrante: pessoa que muda de uma região para outra dentro do seu próprio país ou de um país para outro.

Imigrante: pessoa que vem de outro país, seja por um período de tempo, com o objetivo de buscar melhores condições de vida, e/ou para estabelecer residência.

Emigrante: a pessoa que sai do próprio país para outro, em busca de trabalho e/ou estabelecer residência.

 

 

Para aprofundar o tema deste encontro, leia as páginas 50-63 do livro Levanta-te e vai à grande cidade. Entendendo o livro de Jonas. Editado pela Paulus em 2010. O material deste encontro e também o livro indicado foram preparados pela equipe do Centro Biblico Verbo.

 

 

 


 

[1] MELO, Anthony de. O enigma do iluminado. V. 2. São Paulo: Loyola, 1991, p. 114.

 

© 2013 by CBVerbo | Desenvolvimento e Arte Luis Viper & Renato Azevedo